Racismo estrutural mantém negros e indígenas à margem da sociedade Fonte: Agência Senado

Texto: Ricardo Vestin (Fonte: Site Agência Senado)

As estatísticas não deixam dúvidas. O Brasil é, sim, um país racista. As posições subalternas da sociedade são, na maioria, ocupadas por negros e indígenas. Eles são as vítimas preferenciais da pobreza e da violência. Os brancos, no extremo oposto, dominam o topo da pirâmide social. Trata-se de uma realidade que começou a ser construída nos primórdios da colonização europeia, quando foram instituídas a escravidão indígena e a negra. Os indígenas deixariam de ser escravos oficialmente na década de 1750, na Colônia. Os negros, em 1888, no Império. Ambos os grupos conseguiram sair da escravidão, mas não puderam ingressar na cidadania plena. Libertos do cativeiro, não ganharam terra, trabalho ou educação. Privados historicamente desses instrumentos básicos de ascensão social, os negros e os indígenas até hoje não concorrem em condições de igualdade com os brancos. Veja, a seguir, estatísticas do racismo que compõe as estruturas da sociedade brasileira.​

O racismo em números

Mortalidade infantil

(por 1 mil bebês nascidos vivos em cada cor/raça)

* pela classificação do IBGE, a população negra se divide em preta e parda


Suicídios

(por 100 mil homens em cada cor/raça)

Homicídios por tipo de município

(a cada 100 mil habitantes)

Analfabetismo

(a partir de 15 anos de idade)

Anos de estudo


Renda

(em salários mínimos, valor médio domiciliar per capita)

População brasileira

Homicídios por tipo de vítima


Matrículas na universidade

(cursos presenciais e a distância)

Juízes

* 11 juízes indígenas


Prefeitos, vices e vereadores eleitos em 2016


Fontes: CNJ, TSE, IBGE, Inep, Ministério da Saúde e estudo de A.D.R. Caldas

Fonte: Agência Senado

 

 

Compartilhar

Rodrigo Martins

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Desaparecidos na Amazônia: 'Hoje é quase a certeza absoluta que eles não estão mais aqui entre nós', diz sogra de Dom

dom jun 12 , 2022
Texto: Leo Hamawaki (globonews, portal g1) Buscas já duram uma semana. A manifestação começou pouco depois das 9h em frente ao posto 6, na praia de Copacabana, na zona Sul do Rio.   Imagem: Ato em Copacabana pede urgência no desaparecimento do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira […]