QUEM SOMOS

O PROJETO
O Observatório da Presença Indígena no Estado do Rio de Janeiro (OPIERJ) é desenvolvido pelo Programa de Estudos dos Povos Indígenas (PROÍNDIO) na Faculdade de Educação da UERJ e pelo Núcleo de Estudos sobre Povos Indígenas, Interculturalidade e Educação (NEPIIE) na Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (UERJ-Duque de Caxias). O OPIERJ tem por objetivo principal construir e analisar um banco de dados (em hipermídia) sobre a presença e a qualidade de vida da população indígena no Estado do Rio de Janeiro.

Segundo o censo de 2000 (IBGE), a população indígena no estado era de 35.934 pessoas, e na capital de 15.622 pessoas. No censo de 2010, constatou-se uma diminuição significativa dos números por conta do decréscimo do número de indígenas nas cidades do Rio de Janeiro, assim como no resto do país, havendo no estado 15.894 indígenas e na capital 6.764 indígenas. Na relação entre cidades e territórios indígenas, entretanto, a situação é reveladora. Dos 15.894 indígenas do Estado do Rio de Janeiro, 450 estão em territórios indígenas e 15.444 em cidades. Nos maiores municípios da Região Metropolitana, a população indígena soma 11.961 pessoas, ou 75,25% do total da população indígena do estado (a capital detém 44,6% do total do estado). Embora seja o segundo estado mais rico do país, o Rio de Janeiro é um dos piores em atendimento à população indígena.

Diante desse cenário e da escassez de pesquisas sobre a população indígena no estado, o Observatório busca promover o conhecimento de suas realidades socioculturais e suas múltiplas interações em contexto urbano, assim como a implementação da Lei nº Lei 11.645/2008, que incluiu no currículo oficial da rede escolar a obrigatoriedade do ensino de história e cultura indígena. Para tanto, o projeto possui três linhas de pesquisa: a) Presença indígena histórica até a primeira metade do séc. XX; b) Presença indígena contemporânea, a partir da segunda metade do sec. XX, atravessada por questões relativas à saúde, moradia, educação e cultura, nas cidades e nas aldeias existentes em nosso estado; e c) reunir e disponibilizar informações e materiais voltados para apoiar o trabalho de profissionais da educação na implementação da Lei 11.645/2008.

Ao longo dos anos, o Proíndio/UERJ vem desenvolvendo diversas iniciativas que conjugam a produção do conhecimento científico sobre as sociedades indígenas e a promoção deste saber para além dos muros da universidade. A parceria com o NEPIIE-FEBF vem reforçar o propósito de construção de diálogos para o enriquecimento e a atualização do banco de dados do Observatório. E expressa o desejo de continuar oferecendo a profissionais das redes de ensino, pesquisadores(as), agentes estatais e à sociedade em geral informações e materiais estratégicos para a ampliação dos conhecimentos sobre história e cultura indígena e a promoção dos direitos humanos no Estado do Rio de Janeiro.

EQUIPE PROÍNDIO/EDU-UERJ

Coordenação:
Prof. Dra Leticia de Luna Freire, Doutora em Antropologia (UFF), professora da Faculdade de Educação da UERJ e docente do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC-FEBF), pesquisadora associada do LeMetro/IFCS-UFRJ e do InEAC/UFF.

Prof. Dr. José Ribamar Bessa Freire, Doutor em Letras (UERJ), professor aposentado da Faculdade de Educação da UERJ e docente do Programa de Pós-Graduação em Memória Social da UNIRIO.

Integrantes:
Ana Paula da Silva, Historiadora (UFRRJ), doutora em Memória Social (UNIRIO), formadora do projeto Saberes Indígenas na Escola.

Erlan Raposo, Pedagogo (UERJ), mestrando no PPGECC-FEBF.

Rodrigo Martins, Pedagogo (UERJ), Mestre em Memória Social (UNIRIO), bolsista PROATEC, responsável pela manutenção da plataforma.

EQUIPE NEPIIE-FEBF/UERJ

Coordenação:
Profa. Dra. Kelly Russo, Doutora em Educação (PUC-Rio), professora da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense e docente do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC-FEBF), representante da UERJ no Conselho Estadual dos Direitos Indígenas (CEDIND).

Profa. Dra. Gabriela Barbosa, Doutora em Educação Matemática (PUC-SP), professora da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense e docente do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC-FEBF).

Integrantes:
Heraldo Bezerra, bolsista PROATEC, responsável pela criação e manutenção da plataforma.
Bruna Alves Avelino da Silva, graduanda de Pedagogia (UERJ-FEBF)
Francine Menezes Nunes, mestranda no PPGECC-FEBF
Gabriela Nunes, pedagoga, Mestre em Educação pelo PPGECC-FEBF
Kerolen Nascimento Monteiro, graduanda de Pedagogia (UERJ-FEBF)
Rafaela Souza Palmeira, graduanda de História (UERJ-Maracanã)
Vanessa Garcia Galvão, graduanda de Pedagogia (UERJ-FEBF)

 

COLABORADORES:

Affonso Pereira, Doutor em História (PPGHS-USP), pesquisador e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRJ) e coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas desta instituiução, um dos organizadores do Seminário Questão Indígena na Baixada Fluminense.

Alexandre Pimentel, gestor e produtor cultural, pesquisador e professor. Mestre em Geografia (PPGEO/UFF), coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas do IFRJ-Nilópolis e um dos organizadores do Seminário Questão Indígena na Baixada Fluminense.

Ana Kariri, Professora de Ensino Fundamental, Arte-Educadora, Artista, Artesã e Poetisa. Ativista na defesa dos direitos indígenas no estado do Rio de Janeiro, principalmente no contexto da Baixada Fluminense.

Anna Beatriz Vecchia, Mestra em Educação (PPGEdu/UNIRIO), graduada em Pedagogia (IEAR/UFF), pesquisadora e integrante do Programa Escolas do Território (IEAR/UFF) e do Grupo de Pesquisa “Espaços Educativos e Diversidade Cultural”.

Carolina Miranda de Oliveira, Pedagoga (IEAR/UFF), Mestra em Educação pela Universidad de Cádiz-ES. Integrante do Grupo de Investigación (HUM 936) Análisis de la Exclusión y de Las Oportunidades Socioeducativas-UCA. Professora e colaboradora do Programa “Escolas do Território” (IEAR/UFF). Doutoranda em Educação-UCA.

Domingos Nobre, Doutor em Educação (UFF); Pós-Doutorado no IEL – UNICAMP (2014), com pesquisa sobre educação e cultura indígena. Pesquisador e professor do IEAR-UFF, coordenador do projeto Escolas do Território no Rio de Janeiro.

Felipe Berocan Veiga – Antropólogo, professor do Departamento de Antropologia da UFF, pesquisador do LeMetro/IFCS-UFRJ e do InEAC/UFF.

Mariana Paladino, Doutora em Antropologia (Museu Nacional, UFRJ) e professora da Faculdade de Educação da UFF. Coordenadora do projeto de extensão voltado para a formação continuada de professores das escolas indígenas Guarani Mbya no município de Maricá-RJ.

Marize Oliveira Guarani, Professora de História, Mestre em Educação UFRRJ, Coordenadora do ISPO-Aldeia Jacutinga,  Conselheira do Conselho Estadual de Direitos Indígenas do Estado do Rio de Janeiro (CEDIND), Presidente da Associação Indígena da Aldeia Maracanã (AIAM) e membro do PARLAÍNDIO.

Norielem Martins, Mestre em Educação, professora e pesquisadora da rede de educação de Angra dos Reis.

Silene Orlando Ribeiro, Mestre em História, professora e pesquisadora da rede da educação pública, colaboradora no NEPIIE-FEBF.

Tupã Ra’y (Alberto Alvares), cineasta indígena da etnia Guarani Nhandewa, nascido na aldeia de Porto Lindo, Mato Grosso do Sul. É também ator, professor e tradutor de Guarani. Mora no Rio de Janeiro desde 2010 e é  Graduado em licenciatura intercultural (UFMG) e Mestre em Cinema (UFF).

 

.

PARCERIAS:

Conselho Estadual dos Direitos Indígenas – RJ

 

 

 

NEABI-IFRJ Nilópolis

 

 

 

 

 

 

Museu Vivo de São Bento

 

 

 

 

 

 

Conselho de Missão entre Povos Indígenas (COMIN)Conselho de Missão entre Povos Indígenas (COMIN)

 

 

Programa Escolas dos Territórios / IEAR-UFF

 

 

 

 

 

 

 

 

Núcleo de Pesquisa Educação e Cidade (NUPEC/EDU-UERJ)

 

 

 

Laboratório de Etnografia Metropolitana (LeMetro/IFCS-UFRJ)

 

 

.

 

Instituto de Estudos Comparados em Administração Institucional de Conflitos (INCT InEAC/UFF)

Compartilhar