QUEM SOMOS

O PROJETO
O Observatório da Presença Indígena no Estado do Rio de Janeiro (OPIERJ) é desenvolvido pelo Programa de Estudos dos Povos Indígenas (PROÍNDIO) na Faculdade de Educação da UERJ e pelo Núcleo de Estudos sobre Povos Indígenas, Interculturalidade e Educação (NEPIIE) na Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (UERJ-Duque de Caxias). O OPIERJ tem por objetivo principal construir e analisar um banco de dados (em hipermídia) sobre a presença e a qualidade de vida da população indígena no Estado do Rio de Janeiro.

Segundo o censo de 2000 (IBGE), a população indígena no estado era de 35.934 pessoas, e na capital de 15.622 pessoas. No censo de 2010, constatou-se uma diminuição significativa dos números por conta do decréscimo do número de indígenas nas cidades do Rio de Janeiro, assim como no resto do país, havendo no estado 15.894 indígenas e na capital 6.764 indígenas. Na relação entre cidades e territórios indígenas, entretanto, a situação é reveladora. Dos 15.894 indígenas do Estado do Rio de Janeiro, 450 estão em territórios indígenas e 15.444 em cidades. Nos maiores municípios da Região Metropolitana, a população indígena soma 11.961 pessoas, ou 75,25% do total da população indígena do estado (a capital detém 44,6% do total do estado). Embora seja o segundo estado mais rico do país, o Rio de Janeiro é um dos piores em atendimento à população indígena.

Diante desse cenário e da escassez de pesquisas sobre a população indígena no estado, o Observatório busca promover o conhecimento de suas realidades socioculturais e suas múltiplas interações em contexto urbano, assim como a implementação da Lei nº Lei 11.645/2008, que incluiu no currículo oficial da rede escolar a obrigatoriedade do ensino de história e cultura indígena. Para tanto, o projeto possui três linhas de pesquisa: a) Presença indígena histórica até a primeira metade do séc. XX; b) Presença indígena contemporânea, a partir da segunda metade do sec. XX, atravessada por questões relativas à saúde, moradia, educação e cultura, nas cidades e nas aldeias existentes em nosso estado; e c) reunir e disponibilizar informações e materiais voltados para apoiar o trabalho de profissionais da educação na implementação da Lei 11.645/2008.

Ao longo dos anos, o Proíndio/UERJ vem desenvolvendo diversas iniciativas que conjugam a produção do conhecimento científico sobre as sociedades indígenas e a promoção deste saber para além dos muros da universidade. A parceria com o NEPIIE-FEBF vem reforçar o propósito de construção de diálogos para o enriquecimento e a atualização do banco de dados do Observatório. E expressa o desejo de continuar oferecendo a profissionais das redes de ensino, pesquisadores(as), agentes estatais e à sociedade em geral informações e materiais estratégicos para a ampliação dos conhecimentos sobre história e cultura indígena e a promoção dos direitos humanos no Estado do Rio de Janeiro.

EQUIPE PROÍNDIO/EDU-UERJ

Coordenação:
Prof. Dra Leticia de Luna Freire, Doutora em Antropologia (UFF), professora da Faculdade de Educação da UERJ e docente do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC-FEBF), pesquisadora associada do LeMetro/IFCS-UFRJ e do InEAC/UFF.

Prof. Dr. José Ribamar Bessa Freire, Doutor em Letras (UERJ), professor aposentado da Faculdade de Educação da UERJ e docente do Programa de Pós-Graduação em Memória Social da UNIRIO.

Integrantes:
Ana Paula da Silva, Historiadora (UFRRJ), doutora em Memória Social (UNIRIO), formadora do projeto Saberes Indígenas na Escola.

Erlan Raposo, Pedagogo (UERJ), mestrando no PPGECC-FEBF.

Rodrigo Martins, Pedagogo (UERJ), Mestre em Memória Social (UNIRIO), bolsista PROATEC, responsável pela manutenção da plataforma.

EQUIPE NEPIIE-FEBF/UERJ

Coordenação:
Profa. Dra. Kelly Russo, Doutora em Educação (PUC-Rio), professora da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense e docente do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC-FEBF), representante da UERJ no Conselho Estadual dos Direitos Indígenas (CEDIND).

Profa. Dra. Gabriela Barbosa, Doutora em Educação Matemática (PUC-SP), professora da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense e docente do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC-FEBF).

Integrantes:
Heraldo Bezerra, bolsista PROATEC, responsável pela criação e manutenção da plataforma.
Bruna Alves Avelino da Silva, graduanda de Pedagogia (UERJ-FEBF)
Francine Menezes Nunes, mestranda no PPGECC-FEBF
Gabriela Nunes, pedagoga, Mestre em Educação pelo PPGECC-FEBF
Kerolen Nascimento Monteiro, graduanda de Pedagogia (UERJ-FEBF)
Rafaela Souza Palmeira, graduanda de História (UERJ-Maracanã)
Vanessa Garcia Galvão, graduanda de Pedagogia (UERJ-FEBF)

 

COLABORADORES:

Affonso Pereira, Doutor em História (PPGHS-USP), pesquisador e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRJ) e coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas desta instituiução, um dos organizadores do Seminário Questão Indígena na Baixada Fluminense.

Alexandre Pimentel, gestor e produtor cultural, pesquisador e professor. Mestre em Geografia (PPGEO/UFF), coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas do IFRJ-Nilópolis e um dos organizadores do Seminário Questão Indígena na Baixada Fluminense.

Ana Kariri, Professora de Ensino Fundamental, Arte-Educadora, Artista, Artesã e Poetisa. Ativista na defesa dos direitos indígenas no estado do Rio de Janeiro, principalmente no contexto da Baixada Fluminense.

Anna Beatriz Vecchia, Mestra em Educação (PPGEdu/UNIRIO), graduada em Pedagogia (IEAR/UFF), pesquisadora e integrante do Programa Escolas do Território (IEAR/UFF) e do Grupo de Pesquisa “Espaços Educativos e Diversidade Cultural”.

Carolina Miranda de Oliveira, Pedagoga (IEAR/UFF), Mestra em Educação pela Universidad de Cádiz-ES. Integrante do Grupo de Investigación (HUM 936) Análisis de la Exclusión y de Las Oportunidades Socioeducativas-UCA. Professora e colaboradora do Programa “Escolas do Território” (IEAR/UFF). Doutoranda em Educação-UCA.

Domingos Nobre, Doutor em Educação (UFF); Pós-Doutorado no IEL – UNICAMP (2014), com pesquisa sobre educação e cultura indígena. Pesquisador e professor do IEAR-UFF, coordenador do projeto Escolas do Território no Rio de Janeiro.

Felipe Berocan Veiga – Antropólogo, professor do Departamento de Antropologia da UFF, pesquisador do LeMetro/IFCS-UFRJ e do InEAC/UFF.

Mariana Paladino, Doutora em Antropologia (Museu Nacional, UFRJ) e professora da Faculdade de Educação da UFF. Coordenadora do projeto de extensão voltado para a formação continuada de professores das escolas indígenas Guarani Mbya no município de Maricá-RJ.

Marize Oliveira Guarani, Professora de História, Mestre em Educação UFRRJ, Coordenadora do ISPO-Aldeia Jacutinga,  Conselheira do Conselho Estadual de Direitos Indígenas do Estado do Rio de Janeiro (CEDIND), Presidente da Associação Indígena da Aldeia Maracanã (AIAM) e membro do PARLAÍNDIO.

Norielem Martins, Mestre em Educação, professora e pesquisadora da rede de educação de Angra dos Reis.

Silene Orlando Ribeiro, Doutora em História (UFRRJ), pesquisadora (UFRRJ), docente de História na Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC/RJ). É poeta, documentarista, integrante do ISPO-Aldeia Jacutinga e realiza formações docentes para implementação da Lei 11.645/2008 .

Tupã Ra’y (Alberto Alvares), cineasta indígena da etnia Guarani Nhandewa, nascido na aldeia de Porto Lindo, Mato Grosso do Sul. É também ator, professor e tradutor de Guarani. Mora no Rio de Janeiro desde 2010 e é  Graduado em licenciatura intercultural (UFMG) e Mestre em Cinema (UFF).

 

.

PARCERIAS:

Conselho Estadual dos Direitos Indígenas – RJ

 

 

 

NEABI-IFRJ Nilópolis

 

 

 

 

 

 

Museu Vivo de São Bento

 

 

 

 

 

 

Conselho de Missão entre Povos Indígenas (COMIN)Conselho de Missão entre Povos Indígenas (COMIN)

 

 

Programa Escolas dos Territórios / IEAR-UFF

 

 

 

 

 

 

 

 

Núcleo de Pesquisa Educação e Cidade (NUPEC/EDU-UERJ)

 

 

 

Laboratório de Etnografia Metropolitana (LeMetro/IFCS-UFRJ)

 

 

.

 

Instituto de Estudos Comparados em Administração Institucional de Conflitos (INCT InEAC/UFF)

Compartilhar