Desaparecidos na Amazônia: ‘Hoje é quase a certeza absoluta que eles não estão mais aqui entre nós’, diz sogra de Dom

Texto: Leo Hamawaki (globonews, portal g1)

Buscas já duram uma semana. A manifestação começou pouco depois das 9h em frente ao posto 6, na praia de Copacabana, na zona Sul do Rio.

 

    Imagem: Ato em Copacabana pede urgência no desaparecimento do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira — Foto: Reprodução/GloboNews

    Marcos, cunhado de Phillips, disse que, uma semana depois, ainda há poucas informações sobre o paradeiro do jornalista e do indigenista.

    “É um sentimento muito ruim, de muita tristeza, de muita incerteza. A gente dorme imaginando o que pode ter acontecido, acorda sem informação nenhuma. Está sendo muito angustiante “, contou Marcos Faria Sampaio, cunhado de Dom Phillips.

    A mulher de Phillips, Alessandra, é brasileira. Segundo o irmão dela, o jornalista inglês era apaixonado pelo país, e principalmente pelos povos indígenas originários:

    “Sempre que a gente sentava para conversar, ele sempre falou com muito carinho. A luta do Dom sempre foi pelo amor que ele tinha pelas tribos indígenas. Era louco pelo Brasil. Ele dava aula de inglês gratuitamente em Salvador”, comentou.

    Desaparecimento

      Imagem Montagem com fotos do indigenista brasileiro Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips — Foto: Divulgação/Funai e Reprodução Twitter/@domphillips

      Os dois faziam o trajeto da comunidade ribeirinha São Rafael até a cidade de Atalaia do Norte. As buscas já duram uma semana. A perícia feita em uma embarcação apreendida encontrou vestígios de sangue, segundo o delegado do município de Atalaia do Norte, Alex Perez Timóteo. Nesta sexta-feira (10), as amostras serão analisadas para saber se se trata de sangue humano ou animal.

      A embarcação foi usada por Amarildo da Costa de Oliveira, 41, suspeito de envolvimento no desaparecimento da dupla. Na quinta-feira (9), o Tribunal de Justiça do Amazona decretou a prisão temporária por 30 dias de Amarildo, solicitada pela Polícia Civil após investigadores ouvirem testemunhas sobre o caso.

      Conhecido como “Pelado”, Amarildo, de 41 anos, já está preso desde terça-feira (7), mas por outro motivo. Durante as investigações sobre o sumiço dos dois, as autoridades encontraram com ele uma porção de droga e munição de uso restrito.

      Segundo as investigações, Bruno Pereira foi ameaçado um dia antes do desaparecimento por Amarildo.

        Imagem: Suspeito foi preso por envolvimento no desaparecimento de Dom Philips e Bruno Pereira — Foto: Reprodução/TV Globo
        Compartilhar

        Rodrigo Martins

        Deixe um comentário

        O seu endereço de e-mail não será publicado.

        Next Post

        Indígenas publicam dicionários das línguas Maraguá, Nheengatu e Sateré

        dom jun 12 , 2022
        Texto: Site AmazONAmazonia Imagem: Yaguarê Yamã, do povo Maraguá. Foto. Arquivo Pessoal Professores, pesquisadores e demais interessados em conhecer e divulgar as línguas indígenas da Amazônia já podem contar com o auxílio de três dicionários elaborados por escritores indígenas: Dicionário e Estudo da Língua Maraguá, de Yaguarê Yamã, Elias Yaguakâg e […]