Polícia Civil investiga caso de indígena morto a pauladas em Carnaubeira da Penha, no Sertão

Texto: Por g1 Caruaru

Edinaldo Manoel de Souza, de 61 anos, morava na Aldeia Olho D’Água do Padre; suspeita é que policiais militares tenham praticado o crime.

 

    Imagem: Polícia Civil investiga a morte de um indígena, no sertão de Pernambuco- reprodução: site G1

    A Polícia Civil de Pernambuco está investigando a morte de um indígena em Carnaubeira da Penha, no Sertão, ocorrida na última quarta-feira (15). De acordo com lideranças indígenas da comunidade, Edinaldo Manoel de Souza, de 61 anos, foi agredido até a morte por policiais militares, na frente de casa, na Aldeia Olho D’Água do Padre, que fica na Terra Indígena Atikum.

    O indígena teria sido socorrido pelos policiais envolvidos na ação e levado para um hospital da cidade, mas não resistiu e morreu antes de dar entrada na unidade de saúde. Na quinta-feira (16), os indígenas do Povoado Atikum fizeram um protesto contra a morte de Ednaldo.

    O comissário da Polícia Civil conversou com os manifestantes e afirmou que o caso já está sendo investigado pelas autoridades.

    “Trabalhamos de acordo com a lei, a nossa delegacia está de portas abertas para receber a comissão de vocês. O delegado responsável já está ciente do caso. A dor de vocês também é nossa”, disse o comissário.

    Por meio de nota, a Polícia Civil informou que um inquérito policial foi instaurado para apurar o fato, tendo sido já realizadas diligências, incluindo oitivas de familiares da vítima, vizinhos e lideranças indígenas. O Ministério Público de Pernambuco também está acompanhando as investigações, auxiliadas por perícias criminais, realizadas pela Polícia Científica.

    O que diz a polícia

    A Polícia Civil está investigando o caso. Confira a nota na íntegra:

    “A Polícia Civil de Pernambuco, por meio da Delegacia de Carnaubeira da Penha, registrou morte a esclarecer ocorrida na tarde do último dia 15, na Aldeia Olho D’Água do Padre, na zona rural de Carnaubeira da Penha.

    Foi instaurado um inquérito policial para apurar o fato, tendo sido já realizadas diligências, incluindo oitivas de familiares da vítima, vizinhos e lideranças indígenas. Importante ressaltar que o Ministério Público de Pernambuco está acompanhando as investigações, também auxiliadas por perícias criminais, realizadas pela Polícia Científica.

    Por sua vez, a Polícia Militar, através da Diretoria de Polícia Judiciária Militar (DPJM), instaurou um inquérito Policial Militar para apurar as circunstâncias em que se deu o fato.Na esfera administrativa, a Corregedoria Geral da SDS instaurou Investigação Preliminar e está apurando, no local, se houve infração disciplinar por parte de policiais militares envolvidos nessa ocorrência. A Ouvidoria da SDS está com uma equipe presente no município e está à disposição da população para receber denúncias e informações pelo telefone 0800.081.5001 (ligação gratuita).

    Os trabalhos conduzidos no âmbito criminal e também disciplinar prosseguirão dentro da legalidade, com seriedade e imparcialidade, de modo a elucidar as circunstâncias do fato no menor tempo possível. Outras informações serão concedidas com a conclusão das investigações, para que não haja prejuízo às diligências em curso”.

    Compartilhar

    Rodrigo Martins

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Next Post

    Jovens indígenas criam rede para fortalecer comunicação da região Sul

    dom jun 19 , 2022
    Texto: Assessoria de Comunicação do Comin/ site: Desacato Mais de 20 jovens Guarani, Kaingang e Laklãnõ-Xokleng participaram do 1º Encontro de Jovens Comunicadoras(res) Indígenas da Arpinsul, na aldeia Pirá Rupa (SC). Imagem: Daniela Huberty/COMIN- reprodução: site: Desacato Momento histórico para o movimento indígena da região Sul do país. Foi essa […]