Jovens indígenas criam rede para fortalecer comunicação da região Sul

Texto: Assessoria de Comunicação do Comin/ site: Desacato

Mais de 20 jovens Guarani, Kaingang e Laklãnõ-Xokleng participaram do 1º Encontro de Jovens Comunicadoras(res) Indígenas da Arpinsul, na aldeia Pirá Rupa (SC).

    Imagem: Daniela Huberty/COMIN- reprodução: site: Desacato
    Momento histórico para o movimento indígena da região Sul do país. Foi essa a definição dada para o 1º Encontro de Jovens Comunicadoras(res) Indígenas da Articulação dos Povos Indígenas da Região Sul (Arpinsul), que reuniu mais de 20 jovens na Aldeia Pirá Rupá, em Palhoça (SC).

    Durante cinco dias, jovens indígenas dos povos Avá-Guarani, Guarani Mbya, Guarani Nhandeva, Kaingang e Laklãnõ-Xokleng participaram de um processo de imersão e formação continuada e de intercâmbio de saberes tradicionais e técnicos. Com o tema “A comunicação indígena que temos e a comunicação indígena que queremos ter”, o encontro finalizou com a criação de uma rede de comunicadoras e comunicadores indígenas da Arpinsul.

    “A realização do encontro foi um momento importante e necessário para a comunicação indígena no âmbito da região Sul, pois foi a primeira vez que algo do tipo foi realizado. E o surgimento da rede, além de histórico, será uma ferramenta de empoderamento das jovens e dos jovens parentes”, afirma o coordenador de comunicação da Arpinsul, Yago Kaingang.

    Yago ressalta ainda que a criação da rede é uma forma de contribuir para o fortalecimento da organização indígena “através do nosso próprio protagonismo e, a partir daí, levarmos nossas narrativas ao Brasil, ao mundo e ao universo. Da aldeia para o mundo!”.

    Momento histórico para o movimento indígena da região Sul do país. Foi essa a definição dada para o 1º Encontro de Jovens Comunicadoras(res) Indígenas da Articulação dos Povos Indígenas da Região Sul (Arpinsul), que reuniu mais de 20 jovens na Aldeia Pirá Rupá, em Palhoça (SC).

    Durante cinco dias, jovens indígenas dos povos Avá-Guarani, Guarani Mbya, Guarani Nhandeva, Kaingang e Laklãnõ-Xokleng participaram de um processo de imersão e formação continuada e de intercâmbio de saberes tradicionais e técnicos. Com o tema “A comunicação indígena que temos e a comunicação indígena que queremos ter”, o encontro finalizou com a criação de uma rede de comunicadoras e comunicadores indígenas da Arpinsul.

    “A realização do encontro foi um momento importante e necessário para a comunicação indígena no âmbito da região Sul, pois foi a primeira vez que algo do tipo foi realizado. E o surgimento da rede, além de histórico, será uma ferramenta de empoderamento das jovens e dos jovens parentes”, afirma o coordenador de comunicação da Arpinsul, Yago Kaingang.

    Yago ressalta ainda que a criação da rede é uma forma de contribuir para o fortalecimento da organização indígena “através do nosso próprio protagonismo e, a partir daí, levarmos nossas narrativas ao Brasil, ao mundo e ao universo. Da aldeia para o mundo!”.

    Compartilhar

    Rodrigo Martins

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Next Post

    19 pessoas foram assassinadas em conflitos no campo em 2022, aponta Comissão Pastoral da Terra

    dom jun 19 , 2022
    Texto: Roberto Peixoto e Carolina Dantas, g1 Dados preliminares mostram que, até maio deste ano, 5 indígenas e 3 ambientalistas foram assassinados. Número não considera caso Bruno e Dom. Imagem: Expansão do garimpo na terra Yanomami, em foto de abril de 2021. — Foto: Christian Braga/Greenpeace Em 2022, até maio, 19 pessoas […]