Indígenas relatam truculência durante desocupação em Mangaratiba; prefeito diz que ‘índio é folclore’

Texto: Arthur Leal – Site Jornal O Globo

Prefeitura defende que pessoas estão se passando por indígenas; imagens mostram ocupante sendo imobilizado e celular quebrado durante ação. Grupo questiona sobre decisão do STF que impede despejos

    Imagem: Homem foi imobilizado por agentes da PM e da prefeitura de Mangaratiba durante desocupação — Foto: Reprodução

    As dezenas de indígenas que, há dois meses, passaram a ocupar um território do Parque Estadual Cunhambebe, no Vale do Sahy, em Mangaratiba, na Costa Verde do RJ, perderam, nesta segunda-feira (11), a queda de braço com a prefeitura pelo direito de continuar ocupando a área. Após decisão judicial que autorizou a reintegração de posse do local, agentes do município, com apoio de policiais militares, foram até até o parque e realizaram o despejo. Mais uma vez, os indígenas acusam agentes municipais e estaduais de truculência, afirmam que um aparelho celular de um homem foi quebrado por filmar a ação e questionam, também, o não-cumprimento por parte do judiciário, segundo eles, de uma decisão do ministro Luís Roberto Barroso, do STF, que prorrogou até o fim de outubro o veto a despejos e desocupações, por conta da crise da Covid-19, em áreas onde não há risco de vida.

    O local é o mesmo onde, em meados do mês passado, o prefeito de Mangaratiba Alan Campos da Costa, o Alan Bombeiro, protagonizou uma discussão com os ocupantes da área, chamando-os de “enfeitados”, o que causou revolta por parte dos indígenas, que retrucaram chamando-o de “ladrão”. Na ocasião, ele foi ao local acompanhado de servidores, notificá-los de decisão da Justiça que ordenava a interrupção imediata das construções no parque, e afirmou que aquelas pessoas não eram indígenas – posição que é sustentada pela prefeitura e lembra a disputa envolvendo os ocupantes da Aldeia Maracanã, em 2013, na capital. Nesta segunda, ele esteve de novo no local, e disse que “as cerca de 20 pessoas” vão ali para passar o fim de semana e afirmou ainda que “índio é folclore”.

    – Nós recebemos a determinação da Justiça para reintegração de posse, aqui, da “aldeia de índio”, onde a Uni Índio (sic, União Nacional Indígena) vem sustentando toda uma história que para a gente agora, e para a Justiça, não é uma história legal. Queria deixar uma mensagem para os verdadeiros índios do Brasil, nossos indígenas, que fazem valer a nossa história, o nosso sangue, que algumas pessoas que estão aqui não representam vocês. Vocês vão ver que algumas cenas que vão ser direcionadas na mídia internacional e nacional (sic) pegam exclusivamente as pessoas que são baderneiras. A gente sabe que índio é folclore, coisa bonita. Se falassem aqui judicialmente que é uma área indígena, nós teríamos respeitado – disse o prefeito.

    Parte da ação foi filmada pelos então ocupantes do território. Um vídeo mostra o princípio de uma confusão envolvendo pelo menos um indígena e policiais militares. O homem é imobilizado pelos agentes, enquanto pessoas gritam, pedindo para que os PMs o soltem. Outras imagens mostram agentes apagando fogueiras e interrompendo rituais que aconteciam naquele momento. “Esse é o nosso local de ritual, é sagrado”, diz uma mulher, que não consegue impedir a retirada.

    – Cortaram a energia e a comunicação agora está difícil – conta a indígena Isabella Kariri. – Estavam filmando a agressão, quando um policial jogou o telefone no chão.

      Imagem:Imagens mostram confusão com agentes da PM e da prefeitura durante desocupação em Mangaratiba — Foto: Reprodução

      Eles também registraram uma foto do aparelho quebrado. De acordo com lideranças, após a ação, alguns indígenas se esconderam na mata, enquanto outros fizeram um acampamento na rua em frente ao Parque Cunhambebe.

      A ação de reintegração de posse foi proposta pelo município de Mangaratiba contra o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e “ocupantes indígenas de qualificação incerta”. O município juntou ao pedido documentos emitidos pela Funai, atestando não haver legitimidade na reivindicação dos ocupantes de “ocupar terra ancestral”, já que eles são capazes e plenamente adaptados à sociedade, não gozando de tutela orfanológica prevista no Estatuto do Índio. A Funai informou, ainda, que não há terra indígena demarcada no Município de Mangaratiba.

      Os ocupantes, segundo a Justiça, foram citados e não contestaram a ação. Eles juntaram aos autos instrumento de procuração para advogados de defesa. Contudo, não apresentaram nenhum documento que comprovasse que o representante que assinou a procuração como diretor da UNI possuía condições para outorga de poderes. Por essa razão, foi decretada a revelia do réu pelo juízo.

      “Em análise da inicial e dos documentos que a instruem, verifico que o pedido autoral deve prosperar. A posse dos “ocupantes indígenas de qualificação incerta” (UNI – UNIÃO NACIONAL INDÍGENA) é recente, iniciada em 13 de maio de 2022, como documentado nos autos e amplamente noticiado na mídia, não possuindo os mesmos qualquer direito que justifique a sua manutenção na área reclamada. Diante da revelia do réu e por não haver provas contrárias às alegações do autor, está comprovada a continuação da posse da autora. Portanto, presentes todos os requisitos inseridos no artigo 561 do Código de Processo Civil.”

      A reportagem questionou a prefeitura de Mangaratiba sobre a ação. Em nota, o município pontuou que, “considerando posição da Justiça, da Funai e do Inea, não se trata de uma ocupação indígena e sim de uma invasão realizada por cidadãos civis”, e que a atuação da prefeitura foi “somente para apoio institucional”. Apesar da confusão que é possível ser observada nas imagens, e é citada pelo prefeito, a prefeitura afirma que “não houve truculência durante a operação”, e que “a mesma aconteceu de forma pacífica”, mas pontua que “houve um fato isolado, no qual um dos invasores se negou a cumprir a determinação da autoridade policial presente e foi conduzido à delegacia”.

        Imagem:Tela de celular quebrada, segundo indígenas, por agentes que estavam no local — Foto: Reprodução

        O GLOBO também perguntou se foi prestado algum tipo de assistência às famílias:

        “Informamos que a Secretaria Municipal de Assistência Social acompanhou toda a mobilização e permanecerá prestando apoio as pessoas que precisarem. Entretanto, pelas informações captadas até o momento, não há registro de desabrigados. Todas as pessoas que participaram da invasão vieram de outros estados e possuem residência fixa. A Secretaria de Assistência está acompanhando o caso de perto”, disse o município, também na contramão do que afirmam os indígenas.

        A Polícia Militar, por sua vez, pontuou que não houve registro de presos durante a ação e que pertences e materiais recolhidos ficaram sob responsabilidade dos órgãos municipais. A corporação não comentou sobre o celular supostamente quebrado por agentes, mas ressaltou que a ouvidoria da PM está à disposição da população para denúncias, com anonimato garantido.

          Imagem: Prefeitura diz que grupo, que há dois meses estava no parque, se faz passar por indígena — Foto: Divulgação

          O Inea, por sua vez, disse em nota que não foi notificado da decisão judicial – apesar de ser parte interessada no processo – e que a desocupação foi realizada pela prefeitura de Mangaratiba sem participação do órgão.

          O Tribunal de Justiça do Rio também foi questionado sobre o motivo de a desocupação ter sido autorizada pelo juiz Richard Robert Fairclogh, da Comarca de Mangaratiba, mesmo com decisão do Supremo que impede a autorização para ações deste tipo em casos onde não há risco. Mas este ponto não foi esclarecido.

          Grupo se manifesta em nota

          Em comunicado por escrito, os indígenas que ocupavam o local, representados pela União Nacional Indígena (UNI), disseram que foram “surpreendidos negativamente” com a “decisão arbitrária” de reintegração de posse.

          A UNI e os povos indígenas presentes no local, foram surpreendidos negativamente, na manhã deste dia 11/07/2022, com uma decisão arbitrária de reintegração de posse da sede do imóvel do INEA, uma área estimada em 3.667,21m², conforme descrito na petição inicial.

          Ocorre que, o Inea, parte ré do processo, quedou-se inerte todo esse tempo, e com isso o Juízo de Direito da Comarca de Mangaratiba/RJ, julgou o processo à revelia, considerando que os fatos narrados na inicial são verdadeiros.

          A UNI, por sua vez, se manifestou tempestivamente nos autos, onde foram juntados: procuração e embargos. Tais petições foram ignoradas pelo Magistrado antes da tomada decisória, o que entendemos ser cerceamento de defesa, descumprimento de preceito basilar de nossa Constituição Federal, principalmente no que diz respeito aos povos indígenas.

          Na sentença, o Juiz determina a reintegração da área disposta no texto da petição inicial, todavia ressaltamos que o imóvel do INEA não estava ocupado, e que o oficial de justiça e os policiais que estão no local questionam a metragem alegada pelos indígenas, porém sem apresentar laudo técnico ou um profissional capacitado para isso.

          Houve ainda uma visita do oficial de justiça ao local, onde se atestou a não existência de danos ambientais, bem como fora registrada a localização onde estava sendo feita a ocupação, restando evidente as alegações feitas na exordial.

          Ademais, no cumprimento da referida decisão judicial, não há a presença de um topógrafo, profissional indicado para fazer a medição territorial correta e exata, impossibilitando o mapeamento correto para a demarcação. Desta forma, não se pode comprovar sequer que a ocupação está ocorrendo num local impróprio.

          Por conseguinte, é nítida a má fé em exigir a retirada dos povos indígenas do local sem provas periciais no que cerne ao mapeamento do território e sem nenhum aparo a estes ou uma opção temporária de realocação como forma de resolução pacífica e temporária do litígio.

          Para nós, é também incompreensível o “jogo de empurra” por parte do Ministério Público Federal e do Ministério Público Estadual. O primeiro, em 24/05/2022, declinou competência para o segundo. Porém, na última sexta-feira, o Ministério Público Estadual juntou parecer nos autos do processo de reintegração alegando o seguinte: “este membro do Ministério Público declara, no exercício da sua independência funcional, não haver interesse público que justifique a sua intervenção no processo em epígrafe”.

          Além destes, Polícia Federal foi devidamente acionada pelas lideranças indígenas e pelo corpo jurídico, porém sem sucesso. Ao ser contatada, a PF informou que o MPF declinou competência em 24/05/2022, e com isso a sua atribuição se esgotou.

          Tais delegações desnecessárias são provas suficientes do descaso para com a causa indígena, além de demonstrar interesse protelatório para que não houvesse resolução favorável aos povos originários, que desde o início da retomada vem sofrendo ameaças, agressões verbais e preconceito tanto por parte dos governantes quanto por parte da população.

          Vale ressaltar que não foi determinado pelo juiz a presença de um profissional que pudesse fazer a metragem da área reivindicada, para o cumprimento integral da decisão judicial, restando comprovada a demarcação apenas pelos documentos protocolados junto a inicial nos autos processuais.

          Sem tais ônus periciais que reafirmem o não pertencimento do território à Mangaratiba juntamente a falta de análise judicial aos embargos declaratórios, procuração e notas de apoio emitidas, é cristalino para nós a arbitrariedade conjunta dos órgãos nessa decisão desfavorável e inescrupulosa, onde a parte hipossuficiente neste caso, obtém constantemente seus direitos violados e sendo agredidos verbal e fisicamente por lutarem pé“.

          Prefeito teve cargo cassado no início do ano

          No início do ano, Alan Bombeiro e o vice-prefeito Alcimar Moreira Carvalho (Patriota) tiveram os mandatos cassados pela Justiça Eleitoral por abuso de poder político-econômico, por conta da contratação de mais de mil cargos comissionados temporários no período eleitoral de 2020, segundo a acusação, para angariar votos, mas a pena foi substituída pelo pagamento de multa e os cargos foram recuperados.

           

          Compartilhar

          Rodrigo Martins

          Deixe um comentário

          O seu endereço de e-mail não será publicado.

          Next Post

          Equipe da IDB Brasil invade cemitério sagrado Guarani em Maricá

          dom jul 17 , 2022
          Texto: Movimento Baía Viva (instagram) Movimento Baía Viva publica os vídeos da invasão da equipe do resort espanhol IDB BRASIL no cemitério sagrado Guarani Mbyá, da Aldeia Mata Verde Bonita, Maricá, RJ. Julho/2022. Confira os vídeos no instagram do Movimento Baía Viva: @rj_inea @funai @ministerio_publico_federal @mprj.oficial @defensoria.rj @dpuoficial @prefeiturademarica Share […]